RÁDIO CARLOS PITTY

sexta-feira, 24 de agosto de 2007

CRÔNICA - QUEM FALOU QUE ARTISTA SERTANEJO TEM QUE SER EM DUPLA?

QUEM FALOU QUE ARTISTA SERTANEJO TEM QUE SER EM DUPLA?
POR CARLOS PITTY
Hoje quero falar um pouco de algo que vejo na prática no dia a dia por aí, principalmente no mercado sertanejo. É muito normal ouvir comentários do tipo: Você é cantor sertanejo, então logo perguntam: Qual é o nome da dupla?
Então me pergunto: artista sertanejo só pode cantar em dupla? Quem inventou isso? Parece que artista sertanejo para ser bom tem que ter números e não qualidade.
Muitas duplas se formaram por cantores solos e muitas duplas se desfizeram para que seguissem em carreira solo. Alguns com sucesso outros nem tanto. E isso não é fato somente no estilo sertanejo. Podemos citar artistas de outros estilos como, Paulo Ricardo que saiu do grupo RPM que vinha de uma carreira com vendagens recordes, do Belo do Soweto e tantos outros casos por aí. Mas temos inúmeros artistas solos, que mesmo em estilos diferentes são sucesso como; Fábio Junior, Fafá de Belém, Gal Gosta, Roberto Carlos e outros e não vejo ninguém limitar seu trabalho deles por isso.
Voltando ao sertanejo temos casos de artistas que marcaram sua história desde o início cantando sozinhos como exemplo: Sérgio Reis, Roberta Miranda e Juliano César.
Outra situação que destaco, mesmo que com a fatalidade ocorrida, o resultado do mercado artístico e aceitação do público e de mídia aconteceram sem restrição. Lamentavelmente Daniel perdeu seu parceiro João Paulo que vinha de uma carreira de sucesso. Mesmo solo, sua trajetória continuou no estilo sertanejo e em destaque e mais; figurando entre os artistas mais respeitados do meio.
Ainda, o cantor Leonardo, que perdeu seu companheiro de dupla e irmão Leandro, também segue seu caminho, cantarolando no mesmo estilo, com músicas dançantes, românticas e que podem ser cantadas tanto por artistas solos ou duplas sertanejas.
Creio que em dupla, trio, grupo ou em carreira solo, o mais importante, independente do estilo, é o artista fazer o show, conquistar seu público e quando chamado mostrar porque veio. Assim, fica bom para todos os lados: público, mídia, contratante e gravadoras. Artista é estrela, tem estrela, não é número...
Espero que essa restrição no meio sertanejo acabe, que possam nascer grandes duplas, sensacionais interpretes solistas, e que nossa música continue crescendo e com qualidade.
Que os artistas sertanejos continuem com a música em bom tom, em boa animação e com respeito, sendo ela; em voz única, em dueto, trio...
SAIBA MAIS www.carlospitty.com