RÁDIO CARLOS PITTY

terça-feira, 18 de setembro de 2007

CRÔNICA: ARTISTAS COM NOMES PARECIDOS CONFUNDEM O POVO



ARTISTAS COM NOMES PARECIDOS CONFUNDEM O POVO

Tá faltando criatividade dos artistas na escolha do nome artístico. Você conhece a dupla Mirosmar e Welson? Eles têm uma carreira de glória e sucesso, sempre entre os artistas que mais vendem, entre os mais executados nas rádios. Pois é, os nomes que citei fez a sua mente trabalhar um pouco? Pra quem é fã, tenho certeza que não, pois sabe de quem estou falando. Pois bem, estou falando dos irmãos Zezé di Camargo e Luciano.
Para alguns artistas, criar um nome de sucesso é uma questão de necessidade, ora por combinação, ora por se tornar comercial e todo mundo ver seu nome estampado na fama. No meu caso, optei por agrado mesmo, creio que Vilmar Carlos não seria nada comerciais e outra seria contra o meu gosto também. Claro que muitos artistas mesmo com nomes talvez estranhos ou nada comercial, chegaram ao sucesso e isso é o mais importante. Então a questão do nome muda alguma coisa para o sucesso? Talvez não, o que acontece é que; o mercado brasileiro está com execesso de nomes parecidos entres os artistas, o que vem confundindo todo mundo.
Para o sucesso, nunca sabemos a hora, apenas devemos crer que com trabalho e dedicação chegaremos à ele. Muitas pessoas não têm essa preocupação na escolha do nome, pois iniciam a carreira sem pensar no futuro. Começam na brincadeira aqui, ali, seu trabalho se espalha e quando menos esperam, já estão envolvidos totalmente no meio artistico, e mudar de nome a uma certa altura, é o mesmo que começar do zero. Na música sertaneja principalmente duplas, temos excesso de nomes parecidos que confundem todo mundo, e isso acaba resultando em trabalho dobrado na hora de divulgar seu trabalho.
Vamos lá! Quero citar aqui exemplos simples, o quais têm confundido pessoas por aí. Claro que quando você faz um bom trabalho, seu público, seus fãs sabem por decifrar uma letra se preciso o nome de seu ídodo. Veja comigo: Victor e Léo, Éric e Léo e Léo e Júnior. Vejam outros; Maurício e Marcelo e Marcelo e Mauricio e Marcelo e Maurino, têm Roby e Rober e Roni e Roger, João Bosco e Vinícios, João Victor e Vinicios e por aí vai. Claro que, o Brasil é muito grande, e quando menos esperamos, nos demos a encontrar com nomes parecidos.
Culpa dos artistas? Não, talvez apenas um descuido, uma falta de preocupação de buscar informações, procurar nomes, fazer um levantamento e encontrar sempre o diferente na hora de começar sua carreira, mesmo que soe estranho de momento o nome diferente, mas é la na frente que se vai sentir o resultado. Pode ter certeza que o marketing vai ser menor e a confusão também. Vários artistas já tiveram por obrigação da justiça mudar o nome, pois a semelhança vinha confundindo público, e contratantes, o que resulta em perda comercial e é nessa hora que ninguém quer perder. Não é um e outro que reclama disso, que confunde esse com aquele, vai no show achando que é um e encontra outro e assim por diante.
Entendo que o mercado artístico é muito grande, o país também, e quando menos se espera os nomes quase que iguais surgem. Portanto; pesquisar, estudar nomes, ser original, fará o diferencial lá na frente. Vale a pena você artista pensar nisso!



POR: Carlos Pitty – Cantor, compositor e apresentador
Contato:
www.carlospitty.com – Email: cp@carlospitty.com